Ações

Contra os Agrotóxicos

O uso de agrotóxicos é uma das principais causas da contaminação das águas superficiais e subterrâneas em territórios de cultivo para o agronegócio; além da contaminação dos solos, dos alimentos produzidos e de quem os consomem. Nos perímetros irrigados da Chapada do Apodi, no município de Limoeiro do Norte, grandes empresas de fruticultura irrigada têm água em abundância garantida para a produção e são ao mesmo tempo os maiores consumidores de agrotóxicos. O uso do veneno se dá, entre outras técnicas, pela pulverização aérea. O método é o que mais causa impactos negativos, porque espalha o veneno ao vento, afetando o meio ambiente ao redor e a produção de pequenos agricultores em terrenos vizinhos que não fazem uso de agrotóxicos.

Pelo uso indiscriminado de água e pela contaminação que provoca através do uso de venenos em grande escala, no dia 09 de março a Cáritas lançou apoio político ao Projeto de Lei nº 18/2015 que tramita na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, estabelecendo a proibição da pulverização área de agrotóxicos em todo o território cearense. O projeto é de autoria do mandato do deputado estadual Renato Roseno (PSOL). Como parte da Campanha Água Nossa de Cada Dia, decidimos fazer pressão à Mesa Diretora da Assembleia iniciando a coleta física de assinaturas e também a coleta virtual através do Avaaz. Clique aqui para acessar e assinar!

 

Água da Chuva

A Cáritas Ceará apresentou a Assembleia Legislativa do Estado do Ceará um Projeto de Lei de Iniciativa Compartilhada que propõe a instituição da Política Estadual de Captação, Armazenamento e Aproveitamento da água da chuva. A proposta é fazer com que não somente o meio rural, mas também o meio urbano, adote técnicas de armazenamento de água para melhorar a regularidade e suficiência no abastecimento da população. O foco nas alternativas voltadas para as águas pluviais se dá pela facilidade de implementação de técnicas de captação e armazenamento, pelo baixo custo econômico e ainda como método para diminuir os efeitos das inundações nas cidades. Tudo em consonância com a conservação dos recursos hídricos e pelo uso sustentável.

O estabelecimento de condicionantes de sustentabilidade socioambiental na aplicação de recursos públicos é uma de suas diretrizes. Como instrumentos o projeto define, dentre outros, a implantação de programas de educação ambiental e a instituição de programa de reutilização da água, captação e armazenamento próprio da água da chuva em prédios públicos, órgãos do Estado, escolas públicas e para o uso das atividades do Corpo de Bombeiros.



  • Compartilhe: